Embaixada de Portugal na Colômbia

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Portugal nas meias finais do Mundial de futsal

matos bebe festa golo

A selecção portuguesa de futsal qualificou-se pela segunda vez na sua história para as meias-finais do Mundial de futsal, 16 anos depois, ao bater o Azerbaijão por 3-2, domingo, num jogo sofrido, em Cali, na Colômbia.

Os comandados de Jorge Braz estiveram quase sempre na frente do marcador e chegaram a 3-1 antes do meio da segunda parte, mas, nos últimos 8.41 minutos, os azeris criaram muitos problemas com a introdução do guarda-redes avançado.

Nas meias-finais, Portugal, que repete 2000 (0-8 com o Brasil), defronta, sem Djô (segundo amarelo na prova), a Argentina, cujo melhor registo é o quarto posto de 2004, numa prova em que os outros semi-finalistas são Irão e Rússia, duas formações que também nunca foram campeãs do Mundo.

Nas meias-finais, Portugal defronta a Argentina na quarta-feira, em Cali, pelas 19:00 locais (01:00 de quinta-feira em Lisboa), um dia depois de se encontrar o primeiro finalista, entre Irão e Rússia, em Medellín.

A selecção portuguesa assumiu as despesas do jogo desde o início, com a anuência dos azeris, que, resguardados atrás, apostavam nos contra-ataques e criaram a primeira situação de perigo, valendo Bebé a deter o remate de Thiago Bolinha.

Com muita paciência, obrigatória face ao calculismo e bom posicionamento defensivo do adversário, Portugal foi tentando encontrar espaço para rematar e, aos 7.27 minutos, marcou, por Djô, sem grande ângulo, após passe de André Coelho.

O golo nada mudou na postura das duas equipas e o golo do empate surgiu em contra-ataque, aos 12.01 minutos: Thiago Bolinha serviu Eduardo na esquerda e foi marcar à boca da baliza, desviando o remate forte do compatriota.

A equipa lusa acusou o golo e começou a errar mais passes do que habitual e, com 15.50 minutos, Bolinha só não ‘bisou’ em mais um contra-ataque devido aos pés de Bebé.

Sentindo o perigo, Portugal tornou-se mais calculista, não arriscando tanto ofensivamente, mas, ainda assim, chegou novamente à vantagem, a 2.12 minutos do intervalo, com João Matos a facturar de cabeça, após canto de Bruno Coelho.

Até ao final da primeira parte, o ‘cinco’ de Jorge Braz continuou a ‘mandar’ e Ricardinho quase fez ‘magia’ mesmo a acabar, mas Kurdov evitou o terceiro golo luso.

As duas formações vieram com a mesma disposição para a segunda parte, mas Portugal surgiu mais perigoso e, depois de uma ameaça de Djô, chegou mesmo ao terceiro tento, aos 27.42 minutos, pelo ‘inevitável’ Ricardinho.

João Matos, pouco à frente do meio campo, viu o ‘mágico’ solto à frente da baliza e rematou, com o ‘10’ a desviar de calcanhar, em mais um momento ‘mágico’: golo 119 pela selecção, 21 em Mundiais e 12 na Colômbia, onde é o ‘rei’ dos marcadores.

Se não tem adornado em demasia, Ricardinho podia ter marcado o quarto, pouco depois, sendo que André Coelho, após jogada individual, também quase o conseguiu.

Pelo meio, Bebé fez uma grande defesa em resposta a um remate de Eduardo, jogador que, a 5.33 minutos do final, apontou mesmo o segundo tento dos azeris, que, então, já jogavam há mais de três minutos com guarda-redes avançado.

O tento motivou ainda mais os comandados do brasileiro Miltinho, que tiveram várias ocasiões para empatar, só que, na baliza de Portugal, Bebé foi intransponível, com uma série de grandes defesas, numa situação, um remate de Fabio Poletto, a mais de três minutos do fim, com a ajuda da barra.

A seleção das ‘quinas’ sofreu até ao último segundo, mas acabou por vencer, marcando encontro quarta-feira, pelas 19h locais (1h de quinta-feira, em Portugal continental), com a Argentina, que goleou o Egipto por 5-0.

 
Fonte: Público 
Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail